A SAF e Doenças Autoimunes da Tireoide

A Autoimunidade da Tireoide e a Síndrome Antifosfolipide: Uma associação não tão trivial assim
Autora: Mathilde Versini
Publicado online em 21/07/2017
Resumo
A síndrome Antifosfolipide (SAF) é uma doença autoimune que se manifesta como tromboses venosas ou arteriais recorrenetes e/ou complicações relacionadas à gestação na com a presença persistente de anticorpos antifosfolipides (AAF), avaliados com pelo menos 3 meses de distância entre um exame e outro. A SAF pode ser uma condição primária ou como parte de uma outra condição associada, geralmente o Lupus Eritematoso Sistêmico (LES). De outro modo, a SAF pode frequentemente associada à doenças autoimunes. Pouco se sabe sobre a associação da SAF e dos anticorpos antifosfolipides com doenças autoimunes da tireoide ou com autoanticorpos tireoidianos . O que é mais interessante é que tanto os anticorpos antifosfolipides quanto os autoanticorpos tireoidianos são reconhecidos como causas de perdas gestacionais recorrentes. Desta forma, sua combinação tem uma importância ainda maior em mulheres em idade fértil. Diversos estudos já apontaram uma associação entre a SAF e a autoimunidade tireoidiana. Alguns estudos sugerem ainda que existem processos patofisiológicos comuns bem como histórico genético. Foi realizada uma revisão da literatura existente sobre os AAFs e a SAF e as doenças tireoidianas autoimunes, dando atenção especial à possibilidade da responsabilidade dessa associação em complicações obstétricas.

Palavras-Chave: Sindrome Antifosfolipide, Autoimunidade, tireoide, Tireoidite Hashimoto, Doença de Graves, Doenças Autoimunes

Artigo completo em inglês: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5519533/ acesso em 16/08/2017

Anúncios

Dicas para passar por um procedimento cirúrgico

Oi Pessoal, bom dia.
Estou reblogando um post de 2012, mas ele é muito útil para qualquer pessoa que precisa passar por um procedimento cirurgico. Assim como há 4 anos, vou ter que extrair um dente (vou fazer isso daqui 2 semanas, junto com a páscoa) e precisei lembrar dessas dicas. Se alguém também estiver precisando, aqui estão as dicas. 😉

Minha Vida com SAF

Se você tem SAF e, assim como eu precisa passar por um procedimento cirúrgico,precisa tomar certos cuidados. O Dr.Roger me passou a relação de cuidados que preciso ter antes de extrair o dente. Esses cuidados são importantes para TODOS os pacientes que usam anticoagulantes. Mas nunca se esqueçam de avisar seu reumato e seu hematologista. Somente eles poderão lhes dizer qual a dosagem apropriada de heparina para vc.
1 – Para pacientes em uso de Varfarina (coumadin,marevan,marcoumar)

HEPARINA SODICA ….AMPOLA aplicaçao subcutânea

–>cinco dias antes do procedimento suspender a varfarina e iniciar a heparina na dose prescrita pelo seu rematologista
–>Antes do procedimento(no dia ou na véspera), ver se o INR já está no valor normal (padrão)
–>Com o INR normalizado, realizar o procedimento 12 (doze) horas após a ultima aplicaçao de heparina.
–> após 01 (uma) hora do procedimento, caso não haja contraindicação (hemorragia), REINICIAR a heparina na dose…

Ver o post original 71 mais palavras

Artigo em Jornal Inglês sobre a SAF

Enxaquecas, Fadiga, Tonteira e Problemas de Memória: a SAF explicada.

COMO parte do mês de conscientização da SAF, experts explicam a doença tão pouco conhecida, chamada Síndrome Antifosfolipide e mais comum do que Parkinson e Esclerose Múltipla e sugere o que você deve fazer se você acredita que pode ter o problema.

Autora: Sarah Barns

Publicado: 21 de Maio de 2014

Imagem

Maio é o mês de Conscientização da Síndrome de Hughes (SAF).

Uma doença desconhecida, contudo muito difundida, a Síndrome de Hughes , também conhecida como Síndrome Antifosfolipide (SAF) ou “sange grosso” afeta cerca de 1% da população.

Esta estatística faz com que a síndrome seja mais comum do que a doença de Parkinson e esclerose múltipla, e traz luz a uma série de sintomas médicos que podem permanecer sem solução..

O Professor Graham Hughes, Reumatologista do London Bridge Hospital, e NHS Choices  explica o que é a Síndrome de Hughes, quais são os sintomas e o que fazer se você acha que pode ter o problema.

O que é a Síndrome de Hughes?

A síndrome  de Hughes é uma doença autoimune que afeta a habilidade de coagulação do sangue.

Um sistema imunológico que reage de modo exagerado produz anticorpos antifosfolipides que faz com que o sangue coagule rápido demais tanto nas veias quanto nas artérias de qualquer lugar do corpo.

Imagem

A QUEM A SAF AFETA?

A SAF pode afetar qualquer pessoa. Contudo, os pacientes geralmente têm idades entre 20 – 50 anos, principalmente do sexo feminino (para cada 2 homens com SAF, há 7 mulheres afetadas).

600,000 no Reino Unido (cerca de 1% da população) são portadoras da Síndrome de Hughes, tornando-a mais comum do que a Doença de Parkinson e esclerose Múltipla.

 QUAIS SÃO OS SINTOMAS QUE EU DEVO FICAR ATENTO?

Devido ao conhecimento limitado sobre a doença, a Síndrome de Hughes frequentemente permanence indetectada ou é diagnosticada erroneamente considerando que os sintomas que podem ser atribuidos à doenças mais conhecidas, mais comumente Esclerose Múltipla ou Alzheimer.

De acordo com uma pesquisa recentemente realizada sobre os casos de Síndrome de Hughes, 33% dos pacientes foram inicialmente diagnosticados com Esclerose Múltipla.

Os sintomas mais comuns são dores de cabeça e enxaqueca, problemas de memória, tonteiras, dificuldades de equilibrio, disturbios visuais, pele manchada (livedo), dores articulares e fadiga.

COMO A SAF É TRATADA?

Não há cura para a SAF, porém o tratamento tem como objetivo reduzir o risco do paciente desenvolver novos coágulos. 

Os pacientes podem receber  prescrição de tomar uma aspirina diariamente, que, para alguns pacientes  pode ter um efeito quase imediato.

Enquanto aspirina é comumente usada para tartar a SAF, em alguns casos, outros anticoagulants como  varfarina ou heparina podem ser necessários.

ONDE POSSO OBTER MAIS INFORMAÇÕES?

Procure o seu medico, caso apresente algum desses sintomas ou visite o site hughes-syndrome.org para mais informações

Fonte: http://www.express.co.uk/life-style/health/477229/Hughes-Syndrome-explained

 

SAF SORONEGATIVA

Oi pessoal,
Esta semana recebi um Belo presente: o professor dr. Munther Khamashta, que junto com o Prof. Dr Hughes em 1983, descobriu a SAF, me deu autorização para eu traduzir e divulgar entre os pacientes, um artigo que os dois escreveram quando a descoberta da SAF completou 20 anos. Este artigo foi originalmente publicado em Ann Rheum Dis em 2003 e fala sobre a SAF SORONEGATIVA.
Acho fundamental que obtenhamos essas informações. Eu mesma, antes da confirmação da SAF tive alguns testes negativos (4 pra ser mais precisa), e isso não significava que eu não tinha saf ou que o laboratório tivesse cometido um erro.
Entrem em minhavidacomsaf.wordpress.com/artigos para ler este interessantíssimo texto escrito pelo dr. Munther

O Poder das águas

Há algum tempo vinha tentando seguir os conselhos não somente da minha mãe, mas também do meu reumato, que insistiam que eu deveria fazer exercícios… Eu, sem sombra de duvidas concordava ( e concordo) com eles. Até a SAF ficar ativa, eu me exercitava muito. Fazia boxe, musculação, fazia muita caminhada. Depois da ativação da doença, passei a sentir MUITA dor e, por causa dela, fazer exercício passou. a ser um verdadeiro inferno pra mim. Se eu faço musculação, fico ótima no dia e, no dia seguinte fico morrendo de dor. Quando me mudei para onde eu moro atualmente, me matriculei em uma academia (que custa o olho da cara) e comecei a fazer hidroginástica. É uma delicia, mas, se a sua SAF também ataca as suas articulações e vc tem bursite em lugares ótimos como os quadris, por mais que a hidro seja um excelente relaxante, mais cedo ou mais tarde, certos exercícios acabam te fazendo sentir dor… Bem, eu já estava a ponto de desistir de academia… Pagar uma fortuna em uma coisa que eu não posso aproveitar, não é comigo. Minha mãe me convenceu a tentar fazer natação. Os vinte primeiros minutos da aula são (pra mim) um verdadeiro inferno. As articulaçoes doem muito, mas depois consigo nadar bem até o final da aula. E tb sem dor no dia seguinte. Estou muito feliz com isso. É delicioso pensar que há mais de uma semana não preciso tomar remédio pra dor. 😀
Se a sua saf ataca como a minha, converse com o seu reumato sobre a possibilidade de vc fazer a natação como exercício para a SAF. Esta dando certo pra mim, por que não dara para vcs?