Dor, Dor e Dor :(

Minha semana já começou ruim 😥

Depois de ser assaltada por um pivete em pleno dia 31/12 e ele ter me levado o celular com todos os contatos que eu tinha e o meu dinheiro, meu reveillon foi ótimo. Passei ao lado de pessoas maravilhosas. Eu os considero meus irmãos. Igo e Douglas são os irmãos que eu não tive.
Não sei se isso é alguma reação lenta do meu organismo, ou se é a SAF ou o lupus (agora eu vou sempre ficar na dúvida :/ ) mas, depois do assalto, estou cheia de dor. Parece que a artrite atacou as articulações, porque o simples abrir e fechar das mãos está me deixando com dor.
Os meus ombros, tb.
O meu quadril (os dois lados, para ser precisa), que estava ótimo, está doendo como doía antes de eu começar a fisioterapia. Voltei a andar como uma velha. Graças a Deus consegui fazer fisioterapia hoje e amanhã tenho acupuntura.

O pior de tudo é que estou tomando os remédios corretamente. Diariamente. Amanhã vou refazer o TAP no laboratório… tirando isso, estou fazendo tudo como manda o figurando. Isso não deveria estar acontecendo 😦

 

Melhora no quadro de SAF

Ois,

Como diz a música: “apesar de você, amanhã há ser outro dia”.  Chico Buarque tinha plena razão quando escreveu esses versos. 
Quem acompanha o blog, sabe que eu falo, e muito,  sobre minhas dores, meu cansaço extemo, meus tremores, minha bursite crônica no quadril… No entanto, desta vez vou falar de duas coisas ótimas, e minha experiência pode trazer esperança àquelas pacientes que já não aguentam mais sofrer com a SAF.  
Tenho,na verdade, duas novidades excelentes: a 1ª é que o AASS infantil realmente está melhorando a minha audição. Estou tomando esse medicamento há duas semanas e, esta semana consegui escutar o barulho do ar condicionado no trabalho e hoje em casa, escutei o barulho de um carro passando na rua e o timbre do latido de um dos meus cachorros. Continuo tendo que assistir TV com o closed caption ligado, mas, fiquei extremamente feliz por conseguir escutar esses barulhos.  🙂
A outra boa notícia é que esta semana eu fiz um dopller e, finalmente depois de três anos, os trombos que ainda estavam presos nas minhas veias, se dissolveram. \o/
Eu sei muito bem o quanto a SAF é deprimente. Eu mudei completamente depois de ser diagnosticada com a SAF. Perdi até o interesse em sair, conhecer pessoas novas e, a razão é simples e bastante comum entre as portadoras de SAF:o que passa pela nossa cabeça é quem quer se relacionar com uma pessoa que desde nova tem que tomar um monte de remédios todos os dias? Você não encontra, porque as pessoas não querem saber de gente doente.
Eu não sei por quanto tempo essa novidade vai durar. Mas, caras leitoras, não percam a esperança. Em algum momento, a SAF vai te dar uma tregua… No meu caso, parece que meu momento chegou. 😀