E a tensão continua…

Oi gente, desde que fiz aquele post sobre o sumiço,  tiveram algumas mudanças na minha vida… eu sei que muitos vão achar que esse é um fato meio tosco, mas pela 1a vez na vida me mudei de casa. Morei por 34 anos na mesma casa e agora estou morando em um apartamento.  

Confesso que é uma sensação estranha me desvencilhar e me dar adeus à casa da minha vida. Mas vou me adaptar.  Claro que tivemos problemas com relação nossoa móveis. Como morávamos em uma casa grande,  óbvio que tínhamos muitos móveis.  Alguns,  conseguimos vender. Os novos donos da casa ficaram com alguns moveis. Mas ainda assim, estamos cheias de móveis no apartamento. Outro problema na mudança, agora com relação a mim foi o choque das minhas irmãs com relação às minhas lãs.  Assim como algumas pessoas gostam de roupas, eu gosto das lãs.  Ela é parte integrante do meu processo terapêutico. Quando estou tricotando,  esqueço da saf, do lúpus,  do meu pânico de não saber se vou continuar trabalhando na shell… esqueço de tudo. Só penso que eu quero terminar a peça e vislumbrar uma obra de arte. Sim, acredito que todo trabalho artesanal é uma obra de arte. É nosso tempo,  nosso amor,  nossos desejos que as pessoas gostem do nosso trabalho. .. enfim… eu sei que acabei comprando um baú para reduzir a quantidade de prateleiras do armário ocupadas pelas minhas lãs.  Consegui desocupar 2 prateleiras. Agora, parte da minhas minhas lãs ficam aqui:

Tudo bem que o baú é um trambolho e ficou a conta certinho para o tamanho do quarto. Mas, pelo menos não fica visível e não vou precisar ouvir coisas como eu ser acumuladora de lãs. Give me a break…

Eu sei que essas coisas todas que estão acontecendo na minha vida e eu deveria estar conseguindo lidar com isso tranquilamente, meu corpo está se comportando loucamente. Meu inr na semana passada caiu pra 1.37 ( eu sei… É um absurdo e muito perigoso, diga-se de passagem ) e fiquei surdinha,  tive algumas crises de enxaqueca e meus quadris resolveram me atacar. Hoje precisei fazer um belo repouso, tomar um remédio bem forte, me besuntar com Tiger Balm  e fazer compressas.  Estava sozinha em casa, mas a minha vontade foi ter ido ao hospital e ver se os médicos me davam alguma coisa para passar a dor… mesmo que fosse me dar uma infiltração nos quadris. Mas fiquei quieta…

Como se isso não bastasse, esse stress está me deixando careca… pois é… meu cabelo que estava tão lindo com os tratamentos da ortomolecular e da dra Paula, caiu muito. Estou com menos cabelo do que quando comecei a me tratar com a dra Paula…

Eu sei que com isso, na semana passada eu fui na dra  Paula e mais uma vez  fiz o mmp … minha mãe acha que já deu diferença,  mas é um inferno ver como o stress está me deixando doente…Agora seja o que Deus quiser… torcer para que minha semana melhore e a dor desapareça. 🙏🙏🙏

Assim que tiver novidades sobre meu emprego conto pra vocês. 

Anúncios

Artigo em Jornal Inglês sobre a SAF

Enxaquecas, Fadiga, Tonteira e Problemas de Memória: a SAF explicada.

COMO parte do mês de conscientização da SAF, experts explicam a doença tão pouco conhecida, chamada Síndrome Antifosfolipide e mais comum do que Parkinson e Esclerose Múltipla e sugere o que você deve fazer se você acredita que pode ter o problema.

Autora: Sarah Barns

Publicado: 21 de Maio de 2014

Imagem

Maio é o mês de Conscientização da Síndrome de Hughes (SAF).

Uma doença desconhecida, contudo muito difundida, a Síndrome de Hughes , também conhecida como Síndrome Antifosfolipide (SAF) ou “sange grosso” afeta cerca de 1% da população.

Esta estatística faz com que a síndrome seja mais comum do que a doença de Parkinson e esclerose múltipla, e traz luz a uma série de sintomas médicos que podem permanecer sem solução..

O Professor Graham Hughes, Reumatologista do London Bridge Hospital, e NHS Choices  explica o que é a Síndrome de Hughes, quais são os sintomas e o que fazer se você acha que pode ter o problema.

O que é a Síndrome de Hughes?

A síndrome  de Hughes é uma doença autoimune que afeta a habilidade de coagulação do sangue.

Um sistema imunológico que reage de modo exagerado produz anticorpos antifosfolipides que faz com que o sangue coagule rápido demais tanto nas veias quanto nas artérias de qualquer lugar do corpo.

Imagem

A QUEM A SAF AFETA?

A SAF pode afetar qualquer pessoa. Contudo, os pacientes geralmente têm idades entre 20 – 50 anos, principalmente do sexo feminino (para cada 2 homens com SAF, há 7 mulheres afetadas).

600,000 no Reino Unido (cerca de 1% da população) são portadoras da Síndrome de Hughes, tornando-a mais comum do que a Doença de Parkinson e esclerose Múltipla.

 QUAIS SÃO OS SINTOMAS QUE EU DEVO FICAR ATENTO?

Devido ao conhecimento limitado sobre a doença, a Síndrome de Hughes frequentemente permanence indetectada ou é diagnosticada erroneamente considerando que os sintomas que podem ser atribuidos à doenças mais conhecidas, mais comumente Esclerose Múltipla ou Alzheimer.

De acordo com uma pesquisa recentemente realizada sobre os casos de Síndrome de Hughes, 33% dos pacientes foram inicialmente diagnosticados com Esclerose Múltipla.

Os sintomas mais comuns são dores de cabeça e enxaqueca, problemas de memória, tonteiras, dificuldades de equilibrio, disturbios visuais, pele manchada (livedo), dores articulares e fadiga.

COMO A SAF É TRATADA?

Não há cura para a SAF, porém o tratamento tem como objetivo reduzir o risco do paciente desenvolver novos coágulos. 

Os pacientes podem receber  prescrição de tomar uma aspirina diariamente, que, para alguns pacientes  pode ter um efeito quase imediato.

Enquanto aspirina é comumente usada para tartar a SAF, em alguns casos, outros anticoagulants como  varfarina ou heparina podem ser necessários.

ONDE POSSO OBTER MAIS INFORMAÇÕES?

Procure o seu medico, caso apresente algum desses sintomas ou visite o site hughes-syndrome.org para mais informações

Fonte: http://www.express.co.uk/life-style/health/477229/Hughes-Syndrome-explained