Gravidez e Fertilidade

Gravidez

A SAF é geralmente associada à perdas gestacionais recorrentes, mas também pode provocar outras complicações gestacionais.

Perdas Gestacionais recorrentes significa ter três ou mais perdas seguidas e isso afeta 1 em cada 100 casais que tentam engravidar. Ao menos 15% das perdas recorrentes são provocadas pela SAF e, agora, é reconhecida como a causa mais comum e tratável. Com o diagnóstico e tratamento corretos, a taxa de sucesso de uma gestação aumentou de 20% até a década de 1990 para cerca de 70 – 80% nos dias de hoje.

Como as gestações na SAF são classificadas como de alto risco, o ideal é encontrar um especialista ou unidade de obstetrícia onde os médicos tenham experiência clinica de SAF anterior.

O tratamento dependerá do histórico médico individual da paciente; resultado de exames e circunstâncias. Geralmente, se a mulher é diagnosticada com SAF após perdas gestacionais recorrentes, ela será tratada com uma baixa dose diária de aspirina (75mg – 150mg) . Também é comum combinar este tratamento com injeções diárias de heparina, especialmente se a perda ocorreu entre o segundo ou terceiro trimestre, ou se houve complicações prévias como pré-eclampsia. A decisão final de qual o melhor tratamento para este aspecto da SAF deve ser discutido com o especialista.

Se a mulher é diagnosticada com SAF antes de engravidar e já está sendo tratada com varfarina, ela terá que mudar o tratamento para as injeções diárias de heparina, idealmente, antes do embrião completar 6 semanas, uma vez que a varfarina pode ser prejudicial ao bebê.

Algumas mulheres com SAF conseguem ter uma gestação bem sucedida sem qualquer tratamento _ ainda não se sabe o porquê _ mas a perda gestacional e/ou complicações é geralmente o primeiro e, em alguns casos, a única manifestação nas mulheres e, esta forma é conhecida como SAF Gestacional.

A gestação pode ser afetada de inúmeras formas:

Perda Gestacional Inicial 

A maioria das perdas gestacionais em mulheres com SAF ocorrem nos estágios iniciais da gestação, geralmente até a 13a semana. 

Os anticorpos antifosfolipidios provocam abortos iniciais pois impedem que a gestação se fixe apropriadamente no útero, e inibe o crescimento das células fetais iniciais. Algumas mulheres que tem perdas iniciais recorrentes podem algumas vezes ser consideradas como inférteis.

Infelizmente, perder um bebê no início da gestação é bastante comum, com cerca de 1 em cada 5 gestações  acabam em perda gestacional. Como há inúmeras causas possíveis para a perda gestacional inicial, as mulheres não serão testadas para os anticorpos antifosfolipidios até que ela tenha 3 perdas gestacionais seguidas.

O teste é ocasionamente oferecido após o 2ª perda gestacional inicial se a mulher estiver entre os 30 -40 anos ou se o casal leva muito tempo para conseguir engravidar.      

Perda Gestacional Tardia 

A perda gestacional entre o 2º e o 3º trimestes (da 14ª semana para o final) é rara em boa parte das gestações, mas está fortemente associada com a SAF, com  um número de perdas ocorrendo entre o 3º e o 6º mês. 

Como outras causas possíveis para perda gestacional, como anormalidades cromossômicas, são muito mais incomuns no 2º e 3º trimestres. Qualquer mulher com perda gestacional tardia deve ser testada para anticorpos antifosfolipidios (AAFs).

Os anticorpos agem de modo diferente na perda gestacional tardia, uma vez que elas provocam coágulos nas pequenas e delicadas veias na placenta. Com isso, a placenta não consegue fornecer oxigênio e nutrientes ao bebê, que pode parar de crescer e morrer. 

Pré-Eclampsia

 

A pré-eclampsia afeta até 10% de todas as gestações, mas está até 2x mais propensa a ocorrer em mulheres com SAF. Ela se inicia em um estágio mais inicial e é mais severa.

Agora acredita-se que a pré-eclampsia é provocada pela falta de sangue sendo fornecida para a placenta. Como os anticorpos antifosfolipidios (AAF) podem danificar a placenta ao provocar coágulos nas pequenas veias, é bem provável que esta seja a razão do porquê ela é tão comum em mulheres com SAF.  Estão sendo feitas pesquisas sobre uma possivel associação entre pré-eclampsia, perda gestacional e infertilidade.

A pré-eclampsia é uma condição potencialmente perigosa e pode resultar em pressão alta, retenção de líquidos (edema) e proteina na urina  (proteinúria) para a mãe. No bebê, pode provocar problemas de crescimento. 

Se a pré-eclampsia não for tratada, ela pode provocar rompimento de placenta e será necessário tratamento hospitalar com medicamentos para diminuir a pressão do sangue e controlar os sintomas. A única cura para a pré-eclampsia é realizar o parto assim, em muitos casos, o parto é induzido para a segurança da mãe e o bebê nasce prematuramente.

Restrição de Crescimento Intrauterino

A restrição de crescimento intrauterino se refere à redução de crescimento do bebê ainda no útero. Ela atinge de 10 – 30% dos bebês nascidos de mães com SAF.

Bebês diagnosticados com restrição de crescimento podem pesar até 90% menos do que outros bebês com a mesma idade gestacional.  Podem haver inúmeras razões para o bebê ser pequeno, mas em mulheres com SAF, os anticorpos antifosfolipidios danificam a placenta e impedem o crescimento normal do bebê.

No gerenciamento da gestação com SAF, o exame doppler será realizado para descobrir se há uma queda no suprimento de sangue para o bebê. Se houver um problema, o exame ajudará o especialista decida quais os próximos passos que pode incluir o parto prematuro ( através de cesariana).

 

Fonte: http://aps-support.org.uk/about-aps/what-are-the-symptoms/pregnancy

Anúncios

24 comentários em “Gravidez e Fertilidade

  1. Oi,

    Meu nome é Kelly e o seu site foi o primeiro site que encontrei que me ajudou bastante sobre a SAF.

    Descobri que tenho SAF depois de 3 abortos espontâneos, todos logo no início da gravidez. Mas o meu problema é um pouco mais difícil.
    Antes de descobrir que eu tinha SAF, a causa que todos os médicos me davam para o aborto era o formato do meu utero. Meu útero era septado. Quando se tem um útero septado, as chances de abortos no início da gravidez são muito grandes.

    No 3o aborto, a médica fez alguns exames e me disse que um dos resultados estava um pouco alterado mas nada que precisasse ficar preocupada devido à baixa quantidade apresentada é ela também me recomendou um médico especialista em utero septado para que eu avaliasse se era melhor fazer a retirada do septo. O septo aumentava consideravelmente a chance de aborto.

    Fui no medico indicado e ele fez pré-exames para saber se havia algum indício de que poderia ter mesmo SAF. A princípio, o exame não indicou nada, porém um segundo exame mais específico (no qual eu tomei uma injeção com hormônios) foi descoberto que eu tinha SAF. Essa condição, porém, não foi uma negativa para eu realizar a remoção do septo.

    Só que o 3o aborto, a remoção do septo e a descoberta do SAF ocorreu tudo no Japão. Apesar de eu ter uma tradutora que me ajudava, ainda tenho muitas dúvidas. Uma das dúvidas é sobre como é medida a SAF ou se ela é medida.

    Quando eu recebi o exame escrito, dizendo que eu tinha SAF, não entendi muito. Eu achava que existia um padrão mínimo e máximo para dizer que eu tinha SAF, ou seja, se você está dentro dessa faixa você tem SAF.
    Como se lê um exame de SAF?

    Obrigada

  2. Boa noite!
    Tenho procurado obstetras especializado em SAF, porém não tenho tido sucesso.
    Fui diagnosticada com SAF faz 4 anos e quero engravidar no próximo ano, porém até o momento só encontro médicos que me desaconselham a engravidar. Sei q é possível, so preciso de algum capacitado para me auxiliar.
    Vocês possuem alguma indicação em SP?
    Muito obrigada
    Bruna

    1. Oi Bruna bom dia. Entrei em contato com o Dr Guilherme de Jesus, ob especialista em SAF no Rio e pedi a ele referência. Assim que ele me der um retorno, volto a falar com VC, mas eu concordo que é possível sim engravidar, desde que com o acompanhamento adequado.

      1. Oi Bruna, bom dia. Além do Hospital Pedro Ernesto, o dr Guilherme de Jesus atende também 2x/semana à tarde em um consultorio particular na Rua Visconde de Pirajá, 595 sala 509. O telefone do consultório é (21) 2249-9796 . Se você quiser se consultar com ele no Hospital Pedro Ernesto, precisará de encaminhamento e aguardar o agendamento pelo SISREG (que aí, só Deus sabe quando eles vão conseguir te agendar…). Sugiro que você ligue para o consultório para saber quanto custa a consulta. Bj

      2. Oi Nathana, boa tarde. O dr Guilherme atende na R. Visc. de Pirajá, 595 – sala 509 – Ipanema, Rio de Janeiro – RJ, 22410-003. O telefone do consultório dele é: (21) 2249-9796 . Não sei te informar sobre valores de consulta ou se ele atende planos de saúde. Mas se informe. Ele é um excelente médico. Att. Beatriz

    2. OI Bruna, bom dia. Desculpe a demora. Consegui o nome de uma ob especialista em saf. você deve procurar a Dra. Fernanda Spadotto Baptista, ela é da USP e trabalha com SAF. Com certeza ela não vai contraindicar a gestação. Bjs

    1. Oi Hamilton, boa tarde. Sinceramente não faço a menor ideia. Nunca ouvi nada a respeito. Encaminhei sua pergunta a um obstetra especialista em SAF e retorno assim que ele me reponder, ok? Tenha um bom final de semana. Att. Beatriz

      1. Bom dia, Hamilton. Recebi a resposta do médico. Segundo ele, estudos mostram não haver essa associação de SAF e Infertilidade nem mesmo em mulheres. Atenciosamente, Beatriz

  3. Boa tarde…. Descobri que tenho SAF a 3 anos, quero engravidar mais onde moro quase ninguém sab sobre a minha doença e não tem nenhum ginecologista de auto risco que nem a minha medica mandou eu procurar

    1. Oi Nicole, boa noite. Verifique na pagina especialistas se existe tem algum especialista próximo a sua cidade. Talvez exista um reumatologista que possa ajudá-la. Atenciosamente, Beatriz

  4. Boa noite Beatriz!
    Descobri a SAF há 5 anos, após 6 tromboses, incluindo um AVC transitório. Há 4 semanas descobri que estou grávida e mais do que feliz, estou extremamente preocupada. No dia que descobri a gravidez suspendi o marevan 5mg e iniciei o clexane de 40 mg juntamente com 100 mg de AAS diariamente. Vou entrar em contato com a obstetra da USP que deixaste o contato. Obrigada pelas informações e parabéns pelo seu trabalho, tenho certeza que, assim como me ajudou, deve ter ajudado muitas outras pessoas.

  5. Olá! Descobri que tenho SAF há 1 ano. Gostaria de indicação de um obstetra em Curitiba,com conhecimento sobre o assunto, poderiam me ajudar por favor.

    1. Bom dia. Não conheço. Vou entrar em contato com o obstetra especializado em SAF no Rio para ver se ele pode indicar alguém. Assim que ele responder volto a falar com você. Att. Beatriz

    2. Oi Charleine, boa tarde. Conforme conversamos, conversei com o Obstetra, professor da UERJ, que trabalha na Clinica de SAF do Hospital Pedro Ernesto, mas infelizmente ele não conhece ninguém que seja especialista em Curitiba. Talvez, se a senhora entrar em contato com o Dr Andreas Funke, reumatologista especializado em SAF em Curitiba, é possível que ele consiga te indicar alguém. Att. Beatriz

  6. Olá meu nome é Diani tenho lúpus e SAF tive um aborto de 12 semanas, gostaria de uma indicação de obstetra, especialista em SAF aqui em Santo André. Pois gostaria de engravidar, desta vez com mas amparo dos médicos.

    1. Boa noite, eu não tenho referência de obstetras, somente de Reumatologista. Talvez o dr Thiago Ferreira da Silva, que está na lista de Especialistas em SAF em SÃO Paulo possa te ajudar. O contato da clínica dele está na página dos especialistas. Se você enviar uma mensagem pra ele, ele ou a equipe dele irá te responder. Desculpe não poder ajudar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s